Termino hoje essa série sobre vacinas novamente chamando a atenção para a importância da vacinação de nossas crianças como medida de proteção contra doenças da infância que podem deixar sequelas irremediáveis ou até mesmo levar à morte.

Esse risco não é pequeno, se considerarmos que o sarampo, poliomielite, rubéola e difteria, todas com vacinas para prevenção disponíveis no (SUS), estão voltando com tudo no País. Isso acontece porque está caindo o número de crianças que estão sendo vacinadas a cada ano, em grande parte, por causa do medo de alguns pais com relação aos “supostos” efeitos colaterais das vacinas no longo prazo ou pelos efeitos adversos, como febre e dor no local da injeção, no curto prazo.

Não há comprovação científica de que há, de fato, esses efeitos colaterais e, por outro lado, os incômodos que surgem logo depois da vacinação são tratados tranquilamente com antitérmicos e compressas e passam rápido. São inúmeros os estudos científicos que garantem a efetividade das vacinas para proteger as crianças. E é baseada neles que eu gostaria, mais uma vez, de falar com as mães e os pais sobre a importância da vacinação.

Não deixem de vacinar seus filhos!