Existe um erro muito comum na nossa sociedade que contribui para que o diagnóstico das cardiopatias em  crianças seja tardio e, com isso, se perca um tempo precioso de tratamento. Trata-se do nosso hábito (sim, de todos nós, sociedade), de ver a criança como um pequeno adulto.

Isso faz com que a criança seja exposta a situações com as quais ainda não sabe lidar de forma saudável, como o sexo precoce e a violência, ou àquelas que não são adequadas à ela. Isso acontece também quando se trata dos cuidados medicos.

A saúde da criança tem que ser cuidada por um pediatra e, se houver suspeita de problemas no coração, por um cardiopediatra que, além de cardiologista também é pediatra. Isso porque, no adulto, as cardiopatias são adquiridas ao longo da vida e, nas crianças, embora existam os problemas adquiridos como a febre reumática, a maioria das doenças são de nascença, congênitas. Isso faz com que os sintomas e, muitas vezes, o diagnóstico sejam diferentes num e noutro caso.

Então, meus queridos pais, está nas mãos de vocês cuidar para que seu filho tenha uma infância saudável e adequada para cada etapa da sua vida e lembrem-se: ninguém melhor do que um cardiopediatra para descartar ou cuidar dos problemas cardíacos do seu pequeno e também para fazer a prevenção de problemas cardiovasculares no futuro, quando ele for um adulto.