Dia 24/08 foi um dia muito especial. O Dia da Infância, dia para refletirmos sobre as condições sociais, econômicas e educacionais em que as crianças vivem no mundo inteiro.

Nossas crianças têm seus direitos básicos à alimentação, educação, saúde, lazer, liberdade e ambiente familiar e de sociedade saudáveis respeitados? Elas estão protegidas da discriminação, exploração, violência e negligência, como determina a Declaração Universal dos Direitos da Criança? Se não estão, o que nós, como seres humanos e cidadãos, estamos fazendo para nos orgulharmos de como tratamos as nossas crianças?

Sem dúvida isso passa pela forma como nós agimos individualmente, no dia-a-dia, com as nossas próprias crianças, com as da nossa família, nossos vizinhos, amigos, com as crianças do bairro, da cidade, do lugar em que trabalhamos, do país. Mas passa também pela escolha que fazemos dos nossos dirigentes no governo estadual, federal e no Congresso Nacional.

Então, meus queridos, não vamos deixar a chance passar. Agora é a hora de pesquisarmos o passado dos nossos candidatos, para ver o que eles têm feito pela infância, e os seus programas de governo, para sentir o compromisso que eles têm com as nossas crianças.

Comprometimento com a infância não é opcional, é dever. É dia de refletirmos sobre isso.