saúde do coração

Início/Adicionar código antes da tag </head>. saúde do coração

Você sabe o que é arritmia?

Você já sentiu seu coração palpitar? Seu filho já se queixou de “batedeira” ou mesmo dor no peito? Você ou seu filho já apresentaram desmaio?

Na presença desses sintomas, pode-se estar diante de uma ARRITMIA! Ela é um descompasso nos batimentos, por problema na rede elétrica do coração.

Pode ser do tipo acelerado (taquicardia) ou lento (bradicardia). Embora possa ser benigna, a arritmia também pode também ser fatal. É por esse motivo que ela deve ser investigada.

Procure o médico na presença desses sintomas. Essa é sempre a melhor opção!! 

Pesquisador do InCor realiza estudo sobre impressão de coração 3D

“Dra. Vanessa, será que um dia existirá algo que possa evitar isso no meu filho?” . Essa é uma pergunta recorrente no meu consultório, para diversos tipos de condições dos meus pequenos pacientes.

E a minha resposta é: pode ser que sim. Isso porque na foto vocês podem ver a simulação de um coração em impressão 3D , prova de que a ciência está desenvolvendo corações artificiais que contenham células-tronco.

@liguorimd é um jovem pesquisador que conduz o estudo sobre isso no #InCor. Fé e força @liguorimd! O Brasil está com você!

Você já comeu sua maçã hoje?

Comer uma maçã  por dia diminui os níveis de LDL no sangue, aquele colesterol ruim, envolvido na formação das placas que entopem as artérias do coração (infarto) e do cérebro (AVC). Ótima notícia, não é mesmo, pessoal?!

Ainda mais que a fruta cai super bem no lanche das crianças e dos adultos também! É muito prática para levar na bolsa e na lancheira.

Mas, atenção, ela tem que ser comida com a casca, porque é nela que estão a pectina e mais de 50% dos polifenóis que, potencializando uns aos outros, dão esse resultado. Então, capriche na higienização!  E aqui também a gente tem outra dica importante de um estudo publicado no “Journal of Agricultural and Food Chemistry”, de 2017.

Para limpar a fruta  e retirar boa parte dos agrotóxicos de sua casca, basta lavar a maçã em água de torneira por dois minutos e, depois, mergulhar ela em água misturada com bicarbonato. Seu filho não gosta de maçã?

Aqui vale a máxima de que é a frequência que faz o hábito. Inicie com pequenas porções, um bocadinho por dia, e vá aumentando conforme a aceitação. Ah, não exagere: o ideal é uma por dia ou, no máximo, se for irresistível, três!  Mais do que isso, começa a fazer mal. Bom apetite!

– Dica Dra Vanessa Guimarães –

Cola biológica é estudada para uso em cirurgias cardíacas

Vocês sabiam que é rotina usar COLA BIOLÓGICA em cirurgias, inclusive as cardíacas, para colar pontualmente alguns tecidos. Sim, é verdade e sobre esse assunto temos uma boa notícia.

A revista “Science” publicou estudo de Harvard  com os primeiros resultados de sucesso de uma cola biológica super forte, que também adere a superfícies úmidas (o que é um desafio), feita a base da substância que determinada lesma existente na Europa solta para se defender de perigos.

Essa cola de Harvard, inclusive, foi testada com sucesso para fechar um buraco no coração de um porco  vivo: a cola não vazou ou soltou, mesmo com o tecido cardíaco úmido de sangue.

O próximo passo é testar a duração e os efeitos adversos, além de tentar desenvolver versões biodegradáveis que desaparecem à medida que o corpo se recupera!

Vamos aguardar e torcer porque a rapidez e a eficiência da cola contribui para uma cirurgia mais rápida e, em consequência, um pós-operatório melhor também – o que é uma boa perspectiva para nós, médicos intensivistas de UTI’s pós-operatórias.

– Dica Dra. Vanessa Guimarães –

A trajetória da formação de um Cardiopediatra

Por Dra. Vanessa Guimarães

Tenho recebido directs perguntando qual o caminho e o grau de dificuldade até se tornar Cardiopediatra e acho que a melhor forma pra responder isso é contando pra vocês um pouquinho da minha trajetória!

A formação universitária para ser médica é o primeiro step. Sou formada em Medicina pela Universidade Federal de Alagoas @ufaloficial (são 6 anos de curso e lá se vão 15 anos que conclui). Daí preciso dizer que o estudo é intenso, mas extremamente possível, tanto que recebi a Láurea Acadêmica.

Daí prestei provas de residência médica e felizmente pude escolher vir para São Paulo-SP. Fiz 2 anos de residência em Pediatria👩‍👧‍👦no Hospital Infantil Darcy Vargas @hi.darcyvargas, por onde tenho muito carinho e gratidão até hoje.

Sempre tive predileção para casos delicados, pois as subespecialidades que pretendia eram cardiologia, nefrologia ou emergência médica e delas a Cardiologia Pediátrica arrebatou meu coração.

Há 10 anos concluí minha residência em Cardiologia Pediátrica (mais 2 anos) no InCor, da Faculdade de Medicina da USP e depois disso fui fellow também lá por mais 1 ano em Terapia Intensiva Cirúrgica. Ou seja meus queridos, foram 11 anos de formação básica.

Tantas coisas aconteceram nesse tempo! No InCor, passei a ser médica-assistente na Unidade de Terapia Intensiva Cirúrgica, no Programa de Transplante Cardiopediátrico, além de coordenar o ECMO Team do hospital (grupo especializado na tecnologia de oxigenação por membrana extracorpórea).

Fazer parte do quadro de médicos da USP, trouxe-me oportunidades preciosas de cursos em instituições renomadas no exterior como o Stollery Children’s Hospital, no Canadá, o Boston Children’s Hospital, na Havard University e, neste ano, o SickKids, também no Canadá.

Hoje sou coordenadora de uma pós-graduação em pediatria e já fui autora e coautora de diversos capítulos de livros, artigos científicos, guidelines e diretrizes.

Então vamos em frente que nossas crianças precisam de mais e mais Cardiopediatras pelo país!

Apoio, empolgo e divulgo! Tudo bem que sou suspeita porque amo cuidar de quem tem alterações de maior ou menor grau no coração. São corações que batem com muito Amor!!

Arritmia Cardíaca Infantil

Minha conversa hoje com vocês é sobre arritmia nas crianças.

Essa irregularidade nos batimentos cardíacos pode ter origem benigna, mas ela também pode gerar risco de morte e estar ligada a outras doenças.

Assim sendo, a arritmia pode surgir ou não com sintomas como palpitações, palidez, suor excessivo, tonturas, desmaios, cansaço e até convulsões.


Quando não há qualquer sintoma, ela só consegue ser diagnosticada com o exame do médico e um eletrocardiograma. É por esse motivo que as visitas periódicas ao pediatra são tão importantes. Na presença de indícios, ele encaminhará a criança para a avaliação do cardiopediatra.

Lembrem-se, o melhor tratamento para a doença cardíaca congênita é o diagnóstico precoce, para que o tratamento adequado seja iniciado rapidamente, antes que haja um comprometimento maior das funções do coração.

– Dica Dra. Vanessa Guimarães –

Mês da Consciência da Cardiopatia Congênita – Cianose

A cianose, ou pele com coloração azulada, principalmente a dos lábios, é outro dos sintomas presentes nas cardiopatias congênitas chamadas cianóticas.

Essa cor surge por causa de alterações no coração que provocam shunt, que é a passagem anormal do sangue do lado direito do coração (rico em CO2), para o lado esquerdo (rico em O2).  Isso acarreta a entrada de sangue pouco oxigenado na circulação que vai para o corpo.

Na presença desse sintoma, procure um cardiopediatra para investigação.

– Dica Dra. Vanessa Guimarães –

Mês da Consciência da Cardiopatia Congênita – Dispneia

No mês da Consciência da Cardiopatia Congênita, vamos falar de um sintoma muito presente, a dispneia!

Observe se seu bebê fica ofegante quando está mamando, ou se seu filho perde o ar nas brincadeiras e demora para se recompor. Fique atento!

A dispneia, ou falta de ar, é um dos sintomas de várias das cardiopatias congênitas. Por isso, ela deve ser investigada em consulta com um cardiopediatra, para descartar a doença e, na presença dela, começar o tratamento o quanto antes!

– Dica Dra. Vanessa Guimarães –

Mês da Consciência da Cardiopatia Congênita

Dra. Vanessinha na área para lembrar vocês que estamos no mês da Conscientização da Cardiopatia Congênita! Dia 12 é o dia oficial, mas enquanto isso já começo a divulgação por aqui.

Cerca de 1 em cada 100 crianças brasileiras nascem com cardiopatia congênita – são 30.000 nascidos vivos por ano. Como melhorar o diagnóstico? Com um atendimento pré-natal adequado!


O acompanhamento da gestante com a realização do ecocardiograma fetal e, após o nascimento, a identificação dos sinais e sintomas nas crianças pelos pais e pediatras são os primeiros passos.

A partir daí, direcionar as gestantes e essas crianças para uma avaliação com o cardiologista pediátrico, que permitirá sempre um tratamento mais direcionado que, em grande parte das vezes, é cirúrgico.

– Dica Dra. Vanessa Guimarães –

Dia da Conscientização Contra a Obesidade Infantil

No Brasil, o Ministério da Saúde estima que 20% das crianças são obesas, meus queridos E hoje, 3 de junho, no Dia da Conscientização Contra a Obesidade Infantil, venho reforçar o alerta para a prevenção desta condição que pode causar consequências drásticas para a saúde dos pequenos.

É importante que a família procure um profissional especializado para um diagnóstico e acompanhamento adequados.  Os pais e cuidadores devem estar sensibilizados para o problema, mas a culpabilização da criança deve passar longe dos momentos de conversa, pois podem atrapalhar o processo do tratamento.

É preciso que a família como um todo busque hábitos mais saudáveis, como passar mais momentos juntos; fazer refeições balanceadas e sempre à mesa; procurar momentos de lazer; praticar atividades físicas e assim por diante!  Essas medidas podem evitar que crianças sejam adultos obesos.

Hoje, crianças obesas de 2 anos têm 75% de chance de serem adultos obesos e de desenvolverem doenças como diabetes, resistência a insulina, hipertensão, doenças cardiovasculares e muito mais!

– Dica Dra. Vanessa Guimarães –